Vigilância Ambiental intensifica orientação sobre a dengue




A Vigilância Ambiental de Campo Verde iniciou nesta quarta-feira (7) mais uma campanha de conscientização sobre a dengue. 14 Agentes de Endemias estão visitando todas as residências, imóveis fechados e empresas nos bairros Eckert, Bom Clima, Bordas do Lago e Recanto do Bosque I.

O trabalho, de acordo com o diretor da Vigilância Ambiental, João Paulo Cardoso de Oliveira, consiste em orientar os moradores sobre os cuidados que se deve ter para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti. “Estamos trabalhando em cima da prevenção e orientação, eliminando criadouros e alertando a população quanto ao perigo do vetor”, explicou.

Em todas as casas, de acordo com o coordenador, os agentes ambientais vistoriam calhas, caixas de água e eliminam pontos que possam servir de criadouros para o mosquito, que além da dengue transmite também o zyka vírus e a febre chikungunya.

De acordo com os números da Vigilância Ambiental houve redução no número de casos de dengue em Campo Verde. Em janeiro de 2017, segundo o levantamento feito pelo órgão, foram registrados 15 casos. Em 2018, no mesmo mês, esse número caiu para 7. Nas regiões onde houve os casos foram feitos bloqueios com a aplicação de larvicidas.

O coordenador da Vigilância Ambiental destacou que os índices de proliferação do mosquito transmissor da dengue em Campo Verde são baixos, mas ressaltou que é preciso estar sempre atento. “Estamos trabalhando em cima da prevenção e orientação do Aedes e alertando a população quanto ao perigo do vetor”, disse ele.

O índice do mosquito em Campo Verde no início de 2018 é considerado baixo pelo coordenador da Vigilância Ambiental. “Porém, estamos em alerta caso aconteça algum surto ou epidemia, pois o período é bem fértil e o clima favorável para proliferação das doenças tropicais”, disse.

Mesmo tendo havido diminuição no índice de proliferação e no número de pessoas contaminadas pelo mosquito no último ano, é preciso que a população atue de forma mais intensa na eliminação dos locais que acumulam água e servem de criadouros para inseto.

Conforme informou a Agente de Endemia Luciene Sales, somente na manhã desta quarta-feira, de 39 casas visitadas no bairro Eckert em seis foram encontrados focos do Aedes aegypti. “Falta conscientização da população”, disse ela. (Assessoria de Comunicação/ASCOMCV)

Categorias: Saúde