OSJCV realiza Concerto de Natal e demonstra elevado nível técnico


Com peças consagradas da música clássica e popular, apresentação encantou o público

Concerto teve também apresentação do coral da Escola de Música

A Orquestra Sinfônica Jovem de Campo Verde fez na última quarta-feira, sua última apresentação de 2018. Cerca de 500 pessoas assistiram ao Concerto de Natal realizado no Centro de Eventos Nossa Senhora de Fátima.

A apresentação encantou a plateia com a execução de peças consagradas da música clássica e também da música popular, como Beatles, Dominguinhos, Luiz Gonzaga e outros.

Um dos momentos mais emocionantes foi quando o flautista Henrique Santos Silva, aluno da Escola de Música da OSJCV e que tem apenas 3% da visão, fez o solo da suíte Júpiter, que faz parte da “Sinfonia dos Planetas”, do compositor inglês Gustav Holst.

O concerto contou também com a participação da Orquestra Primeira Ciranda, composta por alunos iniciantes, e com a apresentação do coral com a “Cantata de Natal”.

Diretor da Escola de Música e Coordenador do Projeto Orquestra Sinfônica Jovem de Campo Verde, desenvolvido em parceria com o Instituto Ciranda, de Cuiabá, André Reges destacou a evolução dos músicos desde que a Orquestra foi criada, em 2013.

Apresentação teve músicas clássicas e populares

“Muitos já saíram, o Mauri (Monteiro), este ano foi para Aruba, onde fez um festival, o Otoniel (Weber) do violino tocou com professores da USP em Cuiabá. O nível técnico vem agregando e subindo ano após ano”, disse Reges. O violista Jorge Leandro toca frequentemente com orquestras de Cuiabá.

Reges falou também sobre o futuro da Orquestra e da Escola de Música, que segundo ele, começa a ser pensado de uma forma mais abrangente e descentralizada, atuando nos bairros de forma a atrair as crianças e os adolescentes para as aulas. “Ainda existe aquele preconceito com a música clássica em si, mas não, a música é disciplina, a música nos dá perspectiva, nos alegra. Então é isso: agregar”, observou o maestro.

André Reges também destacou que a música influência positivamente no desempenho escolar, na educação e na inserção social. “Nós temos o cunho da educação que o aluno é cobrado. Aquele que realmente define essa carreira, que queira seguir (como músico profissional), a gente vai cobrar (empenho)”, ressaltou.

A Escola de Música da Orquestra Sinfônica Jovem de Campo Verde atende atualmente 400 crianças, adolescentes e jovens na sede, localizada na Rua Belém, no centro da cidade, no Jupiara e no bairro São Miguel.

Categorias: Educação e Cultura