Prefeitura de Campo Verde homenageia moradora de Capim Branco




3No último sábado (25), durante o lançamento do selo comemorativo feita pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos em homenagem aos 50 anos de trabalho prestados pelo servidor aposentado Ruy Batista Ribeiro, a Prefeitura de Campo Verde homenageou também a senhora Neucy Ribeiro Ruedas, a “dona Niginha”, pela sua dedicação e pelo seu trabalho em favor da comunidade histórica de Capim Branco.

Uma “Moção de Reconhecimento” foi entregue a ela pelo prefeito Fábio Schroeter, pelo secretário de Indústria, Comércio e Turismo, Aparecido Rudnick e pela secretária municipal de Assistência Social Rosilene Sanguine Schroeter. “Dona Niginha” chegou a Capim Branco em 1942, com o pai, Victal Batista Ribeiro, que foi telegrafista e agente postal da Agência Postal e Telegráfica Coronel Ponce.

Para o prefeito Fábio Schroeter, a homenagem é um justo reconhecimento a alguém que trabalhou e trabalha pela comunidade de Capim Branco e por Campo Verde. “Sem dúvida é importante fazer esse reconhecimento”, afirmou. “As pessoas se dedicam, se comprometem e a gente precisa fazer esse reconhecimento. Capim Branco para nós é uma comunidade importantíssima, tem uma tradição forte por conta do telégrafo e da história do Marechal Rondon, e a gente está fazendo esse reconhecimento valorizando toda essa tradição, toda essa cultura que faz parte do nosso município e do estado de Mato Grosso”, completou

Em 1953, Dona Niginha, então com 15 anos mudou-se com a família, mas não esqueceu seu amor pela pequena comunidade. Depois de ter morado no Rio de Janeiro e de ter se casado com o professor e ex-diretor do Liceu Cuiabano Rafael Ruedas, “Dona Niginha”, depois que o esposo se aposentou, voltou para Capim Branco em 1993 para realizar o antigo sonho de viver no lugar onde passou parte de sua infância. Mesmo após a morte do marido alguns meses depois de terem voltado, ela não se mudou. Preferiu continuar no lugar que a viu crescer.

O secretário de Indústria, Comércio e Turismo de Campo Verde, Aparecido Rudnick ressaltou que a homenagem feita à “Dona Niginha” é também um reconhecimento à sua família, que faz parte da história do Capim Branco e das comunicações em Mato Grosso. O pai de “Dona Niginha” prestou serviços na antiga estação telegráfica de Coronel Ponde por dez anos.

“Dona Niginha”, que é irmã de Ruy Batista Ribeiro, agradeceu a homenagem e ressaltou que ter voltado e fixado moradia em Capim Branco foi para ela a realização de um desejo alimentado por toda vida. “Isso pra mim é uma grande honra, é um prazer imenso porque isso aqui é todo meu amor pelo lugar. Foi o começo de uma carreira, foi de onde meu irmão saiu para Cuiabá e, para mim, resgatar tudo isso foi o maior sonho que eu sempre tive. Capim Branco para mim é o templo para eu viver o resto da minha vida. Toda vida eu quis vir para cá”, afirmou.

“Dona Niginha” ressaltou que não esperava ser reconhecida pelo que fez em favor da comunidade. “Eu fiz tudo por amor. Porque eu gosto daqui”, frisou. Além do irmão Ruy, as irmãs de “Dona Niginha”, Rosiva Ribeiro Ayres, também ex-funcionária dos Correios, e Sônia Maria Ribeiro, participaram da entrega da homenagem. (Valmir Faria – Supervisor de Comunicação)

Categorias: Noticias