Pavimentação da MT-140 vai gerar R$ 250 mi de economia/ano com frete




IMG_9634Logística sempre foi um dos gargalos do agronegócio e também de vários outros segmentos econômicos no Brasil. A falta de estradas pavimentadas ou mesmo em melhores condições, encarece o frete e reduz o lucro de quem produz.

Para resolver esse problemas, um grupo de produtores da região de Santa Rita do Trivelato, Planalto da Serra, Nova Brasilândia e do distrito de Boa Esperança, que pertence ao município de Sorriso, se uniu em uma associação para poderem, em parceria com o Governo do Estado, pavimentar 215 quilômetros da MT-140.

O trecho a ser asfaltado vai do distrito de Boa Esperança até o município de Planalto da Serra e deve se estender até a BR-163/364, passando por Nova Brasilândia e Campo Verde, que se tornará um grande entroncamento, de onde a produção agrícola do Médio-Norte de Mato Grosso poderá seguir para Rondonópolis, até o terminal de embarque da América Latina Logística, e de lá para o Porto de Santos.

A pavimentação da MT-140, que encurtará a distância entre a região de Sorriso até Rondonópolis em 260 quilômetros. vai beneficiar uma região com mais de um milhão de hectares e onde se produz, de acordo com Norival Rico Filho, presidente da Associação dos Beneficiários da Rodovia MT-140, 5 milhões de toneladas de grãos. “Pavimentar rodovia é um ganho muito grande para o produtor e qualquer iniciativa nesse sentido é bem vinda”, observou o presidente do Sindicato Rural de Campo Verde, Gladir Tomazelli.

De acordo com Rico Filho, com a rodovia pavimentada, a redução das despesas com frete para os produtores será significativa. Algo em torno de R$ 5 por saca de milho ou de soja. “Com o asfalto teremos uma economia de R$ 250 milhões por ano com frete”, contabilizou. A estimativa faz parte de um estudo feito pela Associação dos Beneficiários da MT-140 com base em dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA).

Jamar da Silva Lima, prefeito de Nova Brasilândia frisou que a pavimentação da MT-140 não vai beneficiar apenas a classe produtora, mas toda uma região. “Vai trazer grande desenvolvimento para os municípios que essa MT faz a ligação”, observou.

O deputado estadual Max Russi comunga da mesma opinião que Jamar. “Para Campo Verde e Nova Brasilândia, essa estrada viabiliza muito e Campo Verde vai ser um entroncamento forte”, disse ele. “E o Governo está colocando como prioridade a ligação entre Nova Brasilândia e Planalto da Serra”, informou. Com essa ligação asfaltada, chegar com a pavimentação até Campo Verde é coisa de poucos quilômetros.

De acordo com os dados apresentados por Norival Rico Filho, durante audiência pública realizada na última quarta-feira (8) no Auditório da Associação Comercial e Empresarial de Campo Verde, a MT-140, depois de pavimentada, deverá ter um fluxo de caminhões bi trem entre mil e dois mil diariamente.

Toda essa frota, vai, obrigatoriamente, passar por Campo Verde. “Com isso teremos um incremento na nossa economia, principalmente no comércio, como restaurantes, oficinas, postos de combustíveis e borracharia”, comentou o prefeito Fábio Schroeter. “Essa rodovia poderá também atrair novos investimentos no setor industrial”, completou.

De acordo com o secretário-adjunto de Engenharia da Secretaria Estadual de Infraestrutura, Rogerio Arias, a MT-140 é prioridade do Estado. “Essa rodovia é um divisor de águas porque ela traz duas opções de escoamento, pois é igual a distância entre a região e os portos de Paranaguá ou Santarém. Isso vai trazer nova viabilidade para a região”, observou. (Valmir Faria – Supervisor de Comunicação/ASCOMCV)

Categorias: Noticias